Documentários para ver na Netflix

documentários_para_ver_na_netflix

Olááá!

Ultimamente tenho visto alguns documentários na Netflix e como não aguento, tudo que eu gosto muito preciso compartilhar! Sabe como é?
Vivo buscando no google filmes/séries/documentários bons para ver por lá então espero ajudar alguém hoje! =)

Tomara que gostem das sugestões!

Making a murderer

Fiiirst, primeiríssimo na minha lista “documentários que todo mundo deveria ver”, está Making a Murderer. Ele é um documentário com um formato de série: são 10 episódios de mais ou menos 1h cada.
A história é a seguinte: Steven Avery foi condenado por um crime que não cometeu. Depois de passar 18 anos preso, ele consegue provar sua inocência através de um exame de DNA (graças ao avanço da tecnologia ao longo dos anos em que ele passou na prisão). Assim que sai, ele processa as autoridades do Estado, responsáveis pela condenação injusta. No entanto, as coisas mudam de rumo quando ele é novamente acusado de um crime, desta vez, o  assassinato de uma mulher. O documentário é focado nesse novo julgamento, mostrando depoimentos, provas apresentadas tanto pela acusação como pela defesa, vídeos das audiências e tudo o mais.
O fato é que o documentário é extremamente viciante. Eu vi em 3 dias e meu namorado viu as 10h da série em apenas um dia. É difícil parar! Você se envolve de uma tal forma com a história, que precisa saber se ele é culpado ou inocente, precisa saber o que realmente aconteceu com aquele homem. Afinal, é uma história real! Se fosse uma série já seria extremamente boa. Sendo vida real, é  inacreditável (Aliás, em muitos momentos você simplesmente não vai acreditar que não se trata de ficção).
Por envolver julgamento e vida real, a série tomou grandes proporções e pouco tempo depois da estreia já estava dando o que falar nas redes sociais.
Queria escrever sobre as várias coisas em que a série me fez pensar e sobre os vários sentimentos que tive assistindo, mas é muito difícil fazê-lo sem spoilers. Então, só assistam! ❤

 Alive inside

Preciso dizer que amo velhinhos. Se já me emociono só de olhar pra eles, aquelas pessoas com tanta história pra contar, imagina só o que esse documentário não fez comigo. Alive Inside mostra o que a música é capaz de despertar em pessoas com perda de memória, depressão, outras doenças ou que simplesmente tenham se afastado de si mesmas. É incrível o poder que a música tem e o quanto ela é capaz de realmente mudar a vida das pessoas.

Blackfish

 Em 2010, uma treinadora do Seaworld foi atacada por uma baleia orca com quem fazia um show. O documentário critica as condições em que essas baleias são tratadas em parques desse tipo, apresenta depoimentos de especialistas e de ex-treinadores , além de relatos de acidentes.
Muito triste e muda sua maneira de enxergar o mundo, no que diz respeito a entretenimento com animais. É justo mudar completamente a vida de um ser vivo, a ponto de separá-lo de sua família, trancá-lo num espaço ínfimo, fazê-lo apresentar shows, pular, nadar, fazer o que vc quiser, na hora que você quiser, expô-lo ao estresse simplesmente para entreter seres humanos?
São muitos os questionamentos que esse documentário nos deixa. Vale a pena assistir e tirar suas próprias conclusões.
A minha é que: é muito muito muito frustrante ver o que fazemos com os animais… O quanto nos achamos superiores e donos do mundo, como se todo o resto estivesse aqui apenas para nos servir. Bom, NÃO SOMOS. E precisamos saber disso. Não somos donos do mundo. Estamos aqui convivendo e compartilhando (deveríamos) o  mundo com milhões de outros seres vivos. Eles não são nossos brinquedos, merecem respeito e amor.

 ✿ Amy

Amy Winehouse como nunca vimos. Uma pessoa normal, de carne e osso, tentando lidar com o sucesso, seus problemas com bebidas e drogas… Nesse documentário vemos suas paixões, seus romances, seus problemas, suas fraquezas… É de partir o coração! E é muito frustrante por saber como tudo acabou =(.

Living on one dollar

4 amigos decidem passar pela experiência de viver com, em média, 1 dólar por dia em um lugarzinho da Guatemala, assim como as pessoas deste lugar precisam fazer para sobreviver. A experiência durou 2 meses. Documentário cheio de lições de vida <3.

✿ The secret

Não sei vocês, mas eu acredito no poder do universo. No poder das palavras, no poder do pensamento positivo, nas energias… E por isso The Secret já mudou a vida de muita gente. Pra quem também acredita e quer saber mais, vale ler o livro além de assistir ao documentário.

✿ A educação está proibida

Esse é para quem, assim como eu, gosta de pesquisar sobre educação. Esse documentário apresenta críticas ao modelo tradicional de educação e apresenta novas possibilidades. Questionar o mundo é sempre bom!

Happy

O que é felicidade e o que é necessário para alcançá-la? Existe uma receita da felicidade? Nesse documentário, cientistas e pessoas comuns discutem essas questões.

Beijos e até a próxima!


Instagram  
Bloglovin’  Pinterest   Weheart  Flickr  Google+

Anúncios

7 Filmes para assistir no Natal ♥

dicas de filmes para o natal

Oi genteee!

1 mês pro Natal e eu já preparei minha lista de filmes natalinos.  AMO essa época do ano e já estou entrando nesse clima mágico! Confesso que a noite de natal mesmo e o dia 25 não me animam muito; costumam ser meio monótonos desde que parei de receber presentes do papai noel. 😦
Por isso esse ano quero fazer uma maratona de filmes natalinos nesses 2 dias. Por enquanto, escolhi 7 que ainda não vi e que achei interessantes. Vou mostrar pra vocês!

✿ A Very Murray Christmas (2015)

“Bill Murray interpretará um apresentador de TV que, durante uma nevasca que atinge Nova York, teme que nenhum convidado irá participar de seu programa. Através de sorte e perseverança, os convidados chegam no hotel Carlyle para ajudá-lo; dançando e cantando no espírito do feriado.”
(Sinopse: Filmow)
Filme da Netflix, disponível a partir de 4 de dezembro. Dizem que vai ser tipo um musical de natal com uma pegada de comédia. Doida pra ver!

✿ Simplesmente Amor (2003)

O filme conta OITO histórias sobre o amor e se passa, é claro, na época natalina.
Nota no IMDb: 7,7

✿ O Expresso Polar (2004)

Um garoto que não acredita mais em Papai Noel embarca na véspera de natal num trem com destino ao Polo Norte.
Nota no IMDb: 6,6

✿ A Origem dos Guardiões (2012)

As crianças do mundo inteiro são protegidas por um seleto grupo de guardiões: Papai Noel, Fada do Dente, Coelho da Páscoa e Sandman. Para combater um adversário poderoso, a Lua designa um novo guardião para ajudar o grupo: Jack Frost, um garotinho invisível que controla o inverno.
Nota no IMDb: 7,3

✿ Um Conto de Natal (2008)

Um drama familiar cujo ápice se passa na noite de Natal.
Nota no IMDb: 7,1

✿ Feliz Natal (2005)

Indicado a vários títulos, Feliz Natal conta a verdadeira história da trégua de véspera de Natal declarada por soldados na Primeira Guerra Mundial.
Nota no IMDb: 7,8

✿ Surpresas do Amor (2008)

Um casal precisa conseguir visitar os pais de casa um no Natal. Só que ambos são separados. Ou seja, eles precisam visitar 4 casas diferentes no Natal. Comédia romântica é sempre uma boa pedida para o natal, né?
Nota no IMDb: 5,6

Espero que tenham gostado!
Beijos e aproveitem o nataaaal! ❤

Instagram  Bloglovin’  Pinterest   Weheart  Flickr  Google+

Quem é você, Alasca? – John Green

IMG_1007

“Quem é você, Alasca?” foi o primeiro livro escrito por John Green, em 2005 e assim como outros livros do autor, também vai virar filme logo logo. Os direitos do filme foram comprados pela Paramount, mas ele ainda não tem data de estreia.
Mais informações no Adorocinema.

Miles Halter coleciona últimas palavras. Sim, ele adora saber a última coisa dita por personalidades histórias antes de partirem e acredita que elas possam revelar muito sobre suas vidas e que são capazes de ensinar lições valiosas.

Miles se cansou de sua vida pacata, sem  aventura e sem amigos e decidiu “sair em busca de um Grande Talvez”, como o poeta François Rebelais teria dito a beira da morte. O destino foi a nova escola, Culver Creek, um internato no Alabama. Longe dos pais e em um lugar em que ninguém o conhecia, Miles tinha a chance de começar do zero e ser quem gostaria de ser. Tendo que se adaptar à nova realidade, que incluia se dar bem com seu colega de quarto bem mandão, conhecer gente nova e se dedicar aos estudos, Miles sente que sua vida pode realmente tomar um novo rumo…e aí parece Alasca.

Alasca não é nada comum. Não é, e nem quer ser, aquela típica mocinha da história, certinha, fofa e romântica. Autêntica, feminista, surpreendente e um tanto problemática, Alasca chega para bagunçar a cabeça e o coração de Miles, e para ensiná-lo sobre amor, amizade, labirintos e sobre “o Grande Talvez”.

” …se as pessoas fossem chuva, eu seria garoa e ela, um furação.”

 Lançamento no Brasil : 2005

Número de páginas: 229

Editora: WMF Martins Fontes

O livro é narrado em primeira pessoa por Miles e é dividido em duas partes, “Antes” e “Depois”, com uma contagem regressiva para chegar ao “depois”, o que nos faz ficar ainda mais envolvidos e ansiosos com a história, doidos para devorar e desbravar as páginas do livro.

IMG_1010

“Simplesmente usamos o futuro para escapar do presente.”

Gostei do livro logo nas primeiras páginas. Confesso que gostei até mais do que o consagrado “A culpa ´das Estrelas” (se bem que amei também). Os personagens são muito bem definidos, com características bem delimitadas e únicas, que é difícil de acreditar que aquelas pessoas não existem. O livro me fez rir muito, me emocionar e foi embora deixando uma saudade gigantesca (Quero ler todos os livros de John Green!).

“Quem é você, Alasca?” é uma lição de vida. Me senti o tempo inteiro filosofando junto com o autor sobre religião e o sentido da vida. As últimas palavras ajudam a compor esse cenário e o que no inicio achei um hobby bem louco do Miles, acabou me conquistando. Acho que vou adotar e sair pelo Google procurando as últimas palavras das pessoas…
As aulas do Sr. Hyde não foram só para os alunos de Culver Creek, até os trabalhos que ele passava aos alunos serviam para nós, leitores, pensarmos e aprendermos. Acabei o livro hoje e continuo pensando sobre todas as questões que ele me apresentou e que espero que me mudem e mudem a todos que lerem esse livro.

“Rabe’a al-Adiwiyah, uma mulher santa de grande importância para o sufismo, foi vista correndo pelas ruas de sua cidade natal, Barsa, segurando uma tocha numa das mãos e um balde de água na outra. Quando lhe perguntaram o que ela estava fazendo, respondeu: ‘Vou derramar este balde de água sobre as chamas do inferno e depois vou queimar os portões do paraíso com esta tocha, para que as pessoas amem Deus não por desejarem o paraíso e por temerem o inferno, mas por ele ser Deus.””

IMG_1008IMG_1017IMG_1021

A lembrança desse livro vai demorar muito a desmoronar…

Ficaram com vontade de ler?
Gostei tanto que já comprei “Cidades de Papel” e “Deixe a neve cair”. 🙂

Beeeeijos!